segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Ser

Quando iniciei “Maga – Alquimia das palavras” que já fora “olha para as estrelas” porque se as olharmos percebemos como somos pequeninos e que os nossos problemas são nada…
Mas depois percebi que por mais pequeninos que sejam, serão sempre Huge em relação a todos os outros, porque somos nós que  os sentimos e,  embora “peanuts” para o resto do mundo, são montanhas enormes  que nunca conseguiremos alcançar. A dificuldade advêm não da dificuldade do desafio mas da capacidade de achar-mos que seremos bem sucedidos ou não, ou seja da nossa capacidade de acreditarmos em nós próprios.
Bem eu estou num momento de acreditar em mim. Nada de especial. Apenas de ser capaz de sentir e transmitir o bom, o positivo, mesmo depois da rejeição. Acho que já consigo lidar com isso: a rejeição que foi quase 86% da minha vida sem perceber muito bem porquê.
Agora rejeitem-me à vontade. Sou um ser, humano, inteligente, autónomo, independente e sim, um  je ne c’est quoi de solitude. Sou também uma ilha a explorar e sei que sou um ser inteiro, sei quem sou, o que sou e o que quero.

 A ilha

Fiz-me ao mar com lua cheia
A esse mar de ruas e cafés
Com vagas de olhos a rolar
Que nem me viam no convés
Tão cegas no seu vogar

E assim fui na monção
Perdido na imensidão
Deparei com uma ilha
Uma pequena maravilha
Meio submersa
Resistindo à toada
Deu-me dois dedos de conversa
Já cheia de andar calada
Tinha um olhar acanhado
E uma blusa azul-grená
Com o botão desapertado
E por dentro tão ousado
Um peito sem soutien
Ancoramos num rochedo
Sacudimos o sal e o medo
Falámos de música e cinema
Lia fernando pessoa
E às vezes também fazia um poema
E no cabelo vi-lhe conchas
E na boca uma pérola a brilhar
Despiu o olhar de defesa
Pôs-me o mapa sobre a mesa
Deu-me conta dessas ilhas
Arquipélagos ao luar
Com os areais estendidos
Contra a cegueira do mar
Esperando veleiros perdidos
Composição: Carlos Tê / Rui Veloso

Este poema é para mim é um dos mais lindos hinos à MULHER!
Parte inferior do formulário


blues


domingo, 29 de janeiro de 2017

Amigos

A todos aqueles que, por motivos desconhecidos para mim, vêm aqui a este espaço ler o 

que vou escrevendo, e desde já agradeço, tenho que confessar que ando numa fase nada

criativa e nada produtiva. Eu chamo-lhe fase porque espero que o seja, mas poderá ser 

definitivo. ..

Não que este lugar prima pela alta qualidade dos textos, ou pela alta criatividade, embora

 nunca tenha sido um propósito, pensei sempre que aqui poderia evoluir.

De qualquer forma é e foi sempre um lugar verdadeiro, honesto e pessoal.

Estranhamento o pessoal parece um contra senso mas não. Partilhei de mim para vocês.

Talvez continue mais tarde ou talvez não.




















OBRIGADA!

Uninvinted