segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Chuvas e ventos

- Sinto-me só… Eu sei o que vais dizer.
(disse assertivamente sem olhar para Plutão) A solidão que eu sinto não têm a ver nem com acompanhamento, nem com ter programas, nem com ter amigos, nem com ter família, nem com o estar ocupada… é algo muito profundo… nem eu percebo bem porque a sinto.
Um cansaço e de alguma forma um vazio…

Voltou o silêncio e o olhar o horizonte.

Plutão queria muito dizer-lhe algo fora dos clichés habituais de psicologia e senso comum, mas não lhe ocorria nada. Preferiu manter-se em silêncio, apenas lhe pôs a patinha em cima da mão dela.

- Alice? Ela olhou para ele. Achas que sabes o que te preencheria? Como poderíamos colmatar isso? Tens ideia?

Alice sorriu.

- Se tivesse Plutão provavelmente já o teria tentado fazer. Sei que quando ouço música me sinto muito bem e quando olho céu. Antes, fazia-me bem pintar ou escrever… mas agora perdi essas pequenas qualidades.

- Como sabes que as perdeste?

- Porque sempre que tento pintar não sai nada… e quando tento escrever nada sai. É assim que sei Plutão. Olhou para ele e retirou a mão de baixo da patita dele.

- Vamos embora.



domingo, 2 de outubro de 2016

Chuvas e ventos

- A sério Plutão? Frases que são autênticos clichês podem me ajudar? Racionalmente sei isso tudo. Emocionalmente não sei como fazer. Tu sabes?

- Amanhã falamos melhor. Vai descansar.

Ainda foi procurar uma garrafa de vinho. Que estranho não encontrou nenhuma… foi para a cama. O dia seguinte era de trabalho. Não conseguia adormecer, virava-se e revirava-se, acendia a luz e lia um pouco, mas nada resultava. Levantou-se e foi ver se tinha alguma coisa que a pudesse ajudar. Vasculhava na caixa dos medicamentos “Não consegues dormir?” Deu um salto espalhando os medicamentos no chão.

- Credo!! Tu não sabes que ainda não estou habituada à tua presença sonora?

- Porque não vais dar uma corridinha lá fora quando chegares estás tão cansada que nem precisas de comprimido.

- Tu achas-te muito esperto, não é?

- Ok Alice agora exagerei, mas não podes continuar assim. Tomas qualquer porcaria com vinho para dormir. Já pensaste no que isso te pode fazer? Tira uns dias, vai a um psicólogo e tenta fazer as coisas direitas, para teu próprio bem e meu já agora.
Sorriu a tentar suavizar o momento.

Alice pegou em Plutão metei-o no carro e disse “Vamos dar um giro”.

Foram à praia. Estava fresco, mas não era um dia desagradável. Ficaram os dois sentados no muro virados para o mar. No horizonte o sol estava quase a deitar-se e a imensidão de um lento e avassalador mar quase paralisava a mente e o corpo.