segunda-feira, 3 de julho de 2017

Serviços




Para quem procura ajuda na área da Organização e Gestão da informação






quarta-feira, 22 de março de 2017

Amigos

Amigos,

Durante bastante tempo, creio, não postarei mais nada. O meu computador foi-se e não tenho num futuro próximo a possibilidade de adquirir um com o qual possa trabalhar. 

Um dia, talvez num futuro um pouco longínquo, quiçá retomerei?

Abraços e muito obrigada por me acompanharem até aqui!



Friends

For a long time, I believe, I will not write here anything else. My computer has crashed and I do not have the possibility of purchasing another.

Who knows, I might do it later, or in another life.

Thank you for all your support.

Regards

sábado, 25 de fevereiro de 2017

O tempo, o amor e a morte

Hoje vi dois filmes bem diferentes. Um sobre um pai que perde a filha de 6 anos para a doença. O outro, uma mulher que perde o pai dos seus dois filhos: assassinado.

A culpa vem sempre em primeiro. Ou porque não estava lá, ou porque devia ter sido eu, ou porque não me esforcei o suficiente. Enfim haverá sempre alguma razão para carregarmos a CULPA. 
Não há nada pior que esse sentimento: tolhe-nos a razão se é que ela consegue espreitar a superfície, tolhe-nos o amor e o tempo. Assume totalmente a direcção da nossa vida e enquanto o fizer a vida nunca mais é nossa. Porque em cima dessa evidência nenhuma outra lhe consegue tirar o lugar. Porquê? Porque nos cega e ensurdece. Porque a partir daí toma conta literalmente de nós: o que que fiz? O que podia ter feito? E se tivesse feito isto ou aquilo? Sim e porque não o fizeste?

Passas anos nisto achando sempre que tudo que corre mal é de alguma forma porque o mereces, mesmo que tudo isso te traga problemas para ti e para outros que amas e queres proteger mas, de alguma forma, tudo te ultrapassa e é avassalador, até que, começas sem muito bem saber porquê, a avançar com a vida, seja isso o que for.
E começas a sentir algo como a esperança de dias melhores, como a esperança de que afinal não és a culpada de tudo, que afinal não és assim uma pessoa tão má…
Começas até a sentir sensações, sentimentos que se tinham supostamente apagado na tua vida. Coisas com as quais crês já não conseguir lidar porque, tudo mudou… mas a realidade é que começas a sentir-te novamente mulher e não sabes como lidar com tudo isso. A última vez, eras nova e nem precisavas de pensar. Surgia tudo naturalmente. Agora parece um jogo que tu não queres jogar, cheio de regras e normas subliminares, que não consegues entender…

E o tempo passou… O amor talvez… a morte virá!

A certa altura na busca do homem por um sentido, percebemos que não há respostas. Quando se deparar com esta inevitável perceção ou você aceita ou você se mata. Ou simplesmente para de procurar.”

Os filmes que vi: Beleza colateral e Jackie




segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Mais um blues maravilhoso -Snowy White


Woman -Anouk


S.Valentim

Era uma vez uma linda bola colorida sobretudo de verde e azul.
Começaram a produzir-se seres vivos; seres que viviam respiravam e alimentavam-se. Com o passar de milhões de anos foram-se transformado em várias espécies umas mais diferentes que outras, até que por fim já não se percebia quem vinha donde e para onde. Uns mantiveram-se na água evoluindo nesse submundo; outros mais ousados saíram do seu espaço de conforto e começaram a pisar aquilo que rodeava a água… tão diferente a terra, tão seca e tão difícil de percorrer, tão cansativa… mas eles insistiram e com o passar de anos andavam corriam e eram excelentes. Começaram a desenvolver outras capacidades físicas que também lhes exigia uma outra forma de se alimentar e assim por vários milhões de anos todos estes se transformaram em seres surpreendentemente diferentes. Até que um se destacou pois começou a andar sobre duas patas e a trabalhar com as outras duas. Começou  a acasalar em bandos tinha um sítio onde ficava algum tempo, Caçavam em bando, os machos, As fêmeas ficavam grávidas esperavam os machos. Tratavam das crianças e preparavam a comida. Até à descoberta do fogo. A partir daqui tudo se transformou. Cada vez mais ereta esta vertente animal se destaca dos outros e claramente se torna aquela que domina o reino que conhecem.

Sim. A seguir vem o ego daqueles que se acham invencíveis e capazes de tudo. Começam as  lutas pelo poder, pela mulher, pela caça, por  tudo….

E assim se tem mantido até agora séc. XXI.
O resto? Se conseguires sobreviver se calhar tens sorte… ou não.
Evolução? Inteligência? Seres especiais?
Não sei se um ramo de rosas consegue superar tudo isso.
Ainda assim, para os que acharem valer a pena